segunda-feira, 7 de abril de 2008

Amor Platónico(continuação)


A luz da manha trespassa através do cortinado, abro os olhos lentamente olho para o relógio já é tarde estou atrasada para a reunião, estava tão cansada que não dei pelo despertador tocar, arranjo-me apressadamente, saio de casa a correr como já vinha sendo habito apanho transito mas naquele dia estava uma fila interminável começava a ficar stressada não podia de maneira nenhuma chegar atrasada aquela reunião, carros a buzinar, pessoas a barafustar, todo aquele barulho estava a deixar desesperada, para piorar começava a doer-me a cabeça… definitivamente o dia não tinha começado da melhor forma.
Finalmente chego ao local da reunião, já com uns minutos de atraso, subo as escadas em ritmo acelerado tentado encontrar a sala dos accionistas, quando entro peço desculpas pelo atraso tento me desculpar de mil e uma maneiras enquanto retiro a papelada necessária para a apresentação do projecto, chega a hora de almoço e é me sugerido fazer uma pausa para almoçar, bem embora não tenha muita fome aceito a sugestão pois reparo que aquela reunião estava a ser um pouco saturante, os accionistas retiram-se, fico a imaginar uma nova forma de cativar os accionistas a empresa não pode de maneira alguma perder este grande investimento… releio-o o projecto tentando encontrar uma solução alternativa, não me surge nada, entre aqueles pensamentos rodeados de trabalho relembro aquele homem que me olhava furtivamente e de repente surge me a alternativa necessária para reverter a situação daquela reunião, talvez não seja a maneira mais ética mas vale a pena tentar pelos belos milhões. Abandono a sala em direcção ao WC. Começo o processo de transformação desaperto um pouco o cansaço, subo um pouco a saia, solto o cabelo, retoco a maquilhagem para me tornar mais provocante e “voilá”, pronta para matar, entro na sala espero pelo regresso dos accionistas, quando entram noto o espanto reflectido nos seus rostos, recomeço a apresentação sempre acompanhada pelo um burburinho de fundo, reparo haver mais entusiasmo no projecto, encosto-me a mesa cruzando as pernas todo o meu eu é reflectido no enorme espelho daquela sala, já com o fim da reunião começo a torna-me mais provocante, naquele instante sentia que o investimento já era um dado seguro, dou por terminada a reunião e despeço-me individualmente de cada um deles para ter a certeza que nada falha.
Já dentro do carro há que uma vez mais enfrentar o infernal transito de final de tarde, passado 1h finalmente o regresso a casa encho a banheira de espuma tomo um belo banho para relaxar, lentamente vou passando a esponja pelos contornos do corpo, retiro o excesso de espuma, enrolo a toalha sigo em direcção ao quarto, estava bastante calor os dias quentes de verão tinham finalmente chegado, visto algo fresco e caminho até a sala, aproveito para repousar, o sol já se põe, começa a anoitecer e aquele calor infernal que se faz sentir começa a incomodar vou até a varanda apanhar um pouco de ar, aproveito para colocar a leitura em dia, mas não consigo evitar de olhar para a varanda da frente, olho vezes sem conta a espera que ele apareça, não teria de esperar muito mais tempo, finalmente ei-lo desta vez mais provocante que nunca com a t-shirt pelo ombro, bem não havia duvida que ele sabia como provocar, manteve-se ali durante algum tempo, tempo suficiente para me seduzir mas desta vez foi ele que abandonou a varanda em acto de provocação pela noite anterior…

5 comentários:

conhecimento disse...

Pois é! Valeste-te dos teus atributos corporais para concretizares os teus objectivos, só que não conseguiste ser saciada no teu desejo sexual.
Foi pena o gajo do prédio da frente não ter avançado pois tão desertinha estavas e tives-te de te consolar sózinha!

mundo_da_triska disse...

será que foi?
eu cá acho que a personagems nao foi... mas pronto logo se verá...lol

conhecimento disse...

AI É!!!? Vamos ver então!

desassossego disse...

curiosa pelo desenvolvimento da história =)

conhecimento disse...

VÊ LÁ SE TE DESPACHAS Ó MANDRIONA!!!